Carta de um psicanalista aos tenistas

Caros colegas tenistas,

São inúmeros os relatos de que, quando dois tenistas combinam que “tá valendo”, geralmente após um bate bola para esquentar e soltar os músculos, a situação emocional interna de cada um e o clima na quadra muda completamente. Em geral, cada um presta mais atenção no jogo, na bola, nas próprias jogadas, golpes e, principalmente, nas falhas e deficiências dos dois. Caso isso ocorra num jogo de torneio ou campeonato, as consequências desse “tá valendo” são ainda mais sérias, drásticas e psicologicamente (i) mobilizadoras. O braço “ encurta” (vide o texto xô braço Dino no blog Bem Sacado) , os golpes não saem ou não entram, erros que em geral não cometemos.

psicólogo

Alguns nomeiam esse conjunto de comportamentos e reações de “síndrome do tá valendo”, pois há uma reunião de sintomas, próprios da situação, que se instalam numa partida de tênis, mas não se pode afirmar ou garantir uma única causa determinante para eles.

Em conversas informais com alguns tenistas, detectei alguns possíveis fatores que determinam esta dificuldade que posso resumir em uma palavra: medo. Sem críticas a quem quer que seja, eu, como tenista, também tenho medo( leia o post Você tem medo de ganhar? no blog Bem Sacado).

Mas medo de quê, exatamente? Vários: perder, ou melhor, deixar de ganhar, jogar com adversários sabidamente superiores em técnica, habilidade e condições físicas. Pior são os jogos com aqueles que sabemos que estão em um nível parecido com o nosso: estes, sim, nos assustam. Parece que temos a obrigação de ganhar deles.

Ganhar e perder, algo constante em nossas vidas, gera inúmeras consequências pessoais e sociais. Certamente, ninguém gosta de perder. Depende das condições internas a qualidade de emoções com as quais, a pessoa que perdeu, irá lidar com este fato. Alguns se sentem humilhados, outros, fracassados e decepcionados. Mas há aqueles que aprendem com as derrotas, conseguindo transformar uma experiência frustrante em algo positivo e construtivo.  No caso do tênis, sempre haverá um jogador melhor do que você, então, relaxe, não é o fim do mundo deixar de pontuar ou vencer. Sempre podemos aprender em qualquer situação. Concorda? Que bom! Então, é só marcar os seus jogos…

Fica para reflexão: é o “tá valendo” que desperta nosso lado competitivo, ou já somos competitivos por natureza e buscamos, então, torneios para extravasar essa nossa característica?

Bons jogos!😃
Nelson Bushatsky, Psicanalista da SBPSP.

 

As autoras deste blog reservam-se o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.